“Vogue Funk”: espetáculo une cultura funk e cultura ballroom/vogue

Das vielas para os palcos, o espetáculo de dança “Vogue Funk” surge como uma expressão autêntica e poderosa do encontro entre a cultura funk e a cultura ballroom/vogue, unindo os “crias” e as “manas” para representar a potência que brota nas periferias.

“Vogue Funk” traz para o palco os elementos de ambos os universos, como DJs, MC/Chants, Bailes/Ball, batalhas, passinhos, vestimentas características, a atitude e coreografias, como destaca a diretora do espetáculo, Patyfudida. “Organizamos uma série coreográfica, explorando gestos radicais que desafiam convenções, buscando reposicionar as relações históricas e culturais. Investimos em poses insubordinadas para elaborar resistências e nutrir repertórios de memórias, criando imagens que disputam novos significados e valores”, ressalta.

Originando-se em contextos geográficos e cronológicos distintos, vogue e funk têm em comum a origem periférica e predominantemente preta, além de serem símbolos de resistência cultural, política e social, como destaca Rafael Fernandes, diretor artístico e idealizador do espetáculo. “Ambas foram e ainda são marginalizadas, mas foi através da arte que encontraram uma forma de sobrevivência de diversas opressões, se tornando caldeirões efervescentes de produção artística e cultural. Elas representam a potência da cultura jovem e periférica colocadas em destaque, ocupando o seu devido lugar, que é o da Excelência”, ressalta.

Leia também: “Sirena”: Espetáculo de bailarina visita personagens da mitologia greco-romana

O que é a cultura funk e cultura ballroom/vogue?

Foto: Charles Pereira

“Vogue Funk” reúne artistas que entregam excelência em suas respectivas expressões artísticas, como Mother Juju Ninja, líder de uma das maiores house Ballroom do mundo; André DB, que é referência mundial do passinho, atual vencedor do Red Bull Dance Internacional; Yure IDD, dj que coleciona parceria com artistas relevantes da cena, como Gloria Groove; e Kill Bill Balenciaga, uma das maiores referências do Vogue no Brasil. “Isso para listar alguns. Cada performer neste elenco traz um universo único de conquistas para sua comunidade, fazendo do Vogue Funk uma produção que exalta cada individualidade para construir uma potência coletiva”, evidencia Patfudyda.

Para além de um espetáculo, “Vogue Funk” torna-se um manifesto cultural que desafia as normas estabelecidas e abre caminho para uma narrativa revolucionária.

“Estamos aqui dando uma chance para a sociedade testemunhar o quanto pode ser enriquecedor para cultura brasileira dar luz às margens e deixar que elas criem suas próprias histórias”, conclui a diretora.

Inspirado na efervescência desses universos que se assemelham e se complementam, “Vogue Funk” estreia na quinta-feira (16), às 20h, no Teatro de Arena do Sesc Copacabana, e seguirá com apresentações de quinta a domingo, sempre às 20h, até o dia 26. O espetáculo faz parte da quarta edição de “O Corpo Negro – Festival de dança e protagonismo”. Os ingressos são gratuitos e serão distribuídos 30 minutos antes de cada apresentação.

Saiba mais aqui!

Foto: Charles Pereira

SERVIÇO:

Local: Teatro de Arena do Sesc Copacabana

Endereço: R. Domingos Ferreira, 160 – Copacabana, Rio de Janeiro – RJ, 22050-012

Datas: 16 a 26 de maio (de quinta a domingo)

Horários: Sempre às 20h 

Ingressos: Gratuito (distribuídos 30 minutos antes de cada apresentação)

Duração: 60min.

Classificação etária Indicativa: 16 anos

FICHA TÉCNICA:

Direção Geral: Wallace Ferreira / Patfudyda (@patfudyda)

Direção Artística/Idealização: Rafael Fernandes (@rafaelfernandes.rj) 

Direção de Movimento: Nyandra Fernandes (@newandra_) 

Dramaturgia: Maurício Lima (@mauriciolima0) 

Intérpretes-criadores: André Oliveira DB (@andreoliveiradb), Codazzi IDD (@codazzi_barreto), JUJULIETE (@eujujuliete), Juninho do Quebra (@juninhodoquebra), Kill Bill (@killbillbc), Maylla Eassy (@mayllaeassy), Preta QueenB Rull (@soupretaqueenbrull), The Overall Princess Legendary Wallandra (@wallandra.x)

Trilha Sonora / DJ: Yure IDD (@yureidd) 

Figurino: Rainha F (@rainhaf_)

Assistente de Figurino:  Ygor Fernandes (@ygorfalves)

Iluminadora: Andrea Capella (@andreacapella)

Produção executiva: Mário Netto (@germanetto)

Assistente de Produção: Priscila Manfredini (@alokarotativa)

Técnicos de Luz: Dafne Rufino e Filipe Magalhães Montoiro

Programação Visual e Fotografia: Charles Pereira (@charlinhus) 

Assessoria de Imprensa: Monteiro Assessoria de Imprensa. (@monteiro.assessoria) 

Realização: Quafá Produções (@quafaproducoes)

Related posts

“Florilégio”: espetáculo do Grupo Pombas se inspira no verbo “esperançar” de Paulo Freire

“Amor de Baile”: peça celebra o movimento Black Rio dos anos 70

“Faminta”: peça une gula e luxúria em mulher em busca de novas experiências