5 motivos para Oppenheimer ganhar o Oscar de Melhor Filme

Muito se poderia dos motivos, mas a verdade é que é difícil competir com um filme como Oppenheimer. Ele é “apelão” em quase todos os quesitos, é perfeito em termos técnicos e tem tudo que a indústria cinematográfica gosta. Listo alguns motivos aqui:

1- filme histórico


2- ação, explosão, épico


3- – interpretação de personagem real


4- norte-americanismos


5- Diretor de nome

Algumas críticas sobre a Academia e Oppenheimer

Deixando aqui duas críticas também: A Academia, que parece seguir o mundo contemporâneo para ser mais inclusiva, no fundo, vem fazendo o famoso “mudando tudo para ficar tudo igual”. É cada vez mais claro que há uma representatividade sim, mas que ela é fingida e, ainda por cima, muito machista.

Eles premiam filmes com histórias “mais femininas e feministas” (com muitas aspas) com prêmios “menores” como maquiagem, design de produção, figurino, atriz coadjuvante, até um ou outro roteiro. Na hora dos grandes prêmios, é quase sempre tudo mais do mesmo.

Leia também: 9 filmes indicados ao Oscar 2024 que são inspirados em livros

Falando de Oppenheimer especificamente, o filme traz uma armadilha interpretativa que se a gente não presta atenção a gente pode cair. Em um primeiro momento, o filme parece ser uma crítica à invenção da bomba, uma tentativa de mostrar como a humanidade boa pode ser péssima.

Porém, numa leitura mais atenta, o que a gente percebe é que o filme tenta misturar uma denúncia que poderia ser feita dos EUA gastando milhões pra fazer a bomba – ou seja, uma crítica coletiva a uma lógica bélica do mundo – com o sentimento de culpa individual do sujeito Oppenheimer que inventa a bomba. O coletivo migra pro individual. Ele soa como crítica, mas no fundo não é. Nada de novo no front.

Um último motivo pro filme vencer: o Christopher Nolan fez seu primeiro filme mais “palpável” ao grande público, sem nada tão mirabolante. Junta tudo isso, como não premiar? Pois é, ele ficou longe dentre meus preferidos (foi meu 8°), mas é impossível negar a força que o filme tem, principalmente em um ano de bons filmes.

Foi justo, mas não merecido. Foi merecido, mas não justo. Complexo.

Related posts

Porto Príncipe (2023): quando duas culturas se encontram

“Sem Ursos” (2022): Uma abordagem das prisões invisíveis do Irã por Jafar Panahi

“A Ordem do Tempo”(2023): Frivolidades no pré apocalipse