Em “Kibogo subiu ao céu”, Scholastique Mukasonga narra o surgimento de uma resistência cultural e social a partir de um povo subjugado

Um por um, os relatos de Scholastique Mukasonga trazem à tona um mundo desaparecido – o mundo de Ruanda, sua terra mágica natal, que ressurge numa operação literária ao mesmo tempo sutil e vigorosa, combinando oralidade, invenção e uma infinidade de referências históricas.

A literatura de Mukasonga enternece com múltiplas camadas de beleza e conflito, e já é conhecida dos brasileiros desde títulos como Nossa senhora do Nilo e A mulher dos pés descalços. Neles, o pano de fundo é a guerra civil de 1994, quando se deu o genocídio de oitocentos mil tutsis, entre os quais grande parte da família da autora, em meio à rivalidade étnica incentivada pelos antigos colonizadores.

Neste romance, que se passa em tempo anterior ao genocídio, Ruanda ainda está sob domínio belga. Uma pequena vila vive o impacto da presença dos missionários cristãos, que colocam em xeque suas divindades e preceitos enquanto crianças e homens são recrutados para realizar trabalhos forçados. O confisco de colheitas e rebanhos é comum a fim de que possam contribuir com o esforço de guerra dos europeus. Até que se configura a grande fome, mobilizando ruandeses a buscarem forças numa espiritualidade cultivada desde os tempos mais remotos. Ocorre, então, o impasse diante das regras e orientações ocidentais.

No correr das páginas de Kibogo subiu ao céu, a comoção é inevitável, assim como o riso em meio a instantes inesperados de humor e a reflexão sobre o que pode ampliar nosso senso de humanidade. 

Texto de Josélia Aguiar para orelha do livro

Trecho:

“Esperando, sondava-se o céu. Dois meninos que pareciam fortes foram enviados para escalar uma colina alta na região a fim de espionar a chegada das nuvens. Esperaram em vão os relâmpagos e os estrondos de trovão do primeiro tornado que abriria o caminho do céu para a chuva. Eles voltaram, abatidos, para dizer que a mesma bruma avermelhada estava estagnada sobre todo o país.”

Sobre a autora:

Scholastique Mukasonga nasceu em 1956, em Ruanda. Vive e trabalha na região da Baixa Normandia, na França. Vencedora do Prêmio Renaudot e finalista do National Book Award, teve seus livros traduzidos para mais de vinte idiomas. Dela, a Editora Nós publicou também A mulher de pés descalços (2017), Nossa senhora do Nilo (2017), Baratas (2018) e Um belo diploma (2020).

Leia também: 4 escritoras de literatura africana francófona para você conhecer (e ler)!

Ficha Técnica

Título: Kibogo subiu ao céu
Autora: Scholastique Mukasonga
Tradução: Larissa Esperança
ISBN: 978-65-85832-32-8
Acabamento: brochura
Número de páginas: 168
Tamanho: 12,5 X 18 cm
Preço: R$75,00
Editora: Nós

Compre aqui!

Related posts

“Dentes de leite”: conheça os contos insólitos de Antonio Pokrywiecki

“Anna O”: o livro de Matthew Blake que virou sucesso e vai ser adaptado pela Netflix

Círculo de Poemas lança “Quadril & Queda”, de Bianca Gonçalves, e “Palavra nenhuma”, de Lilian Sais