Você sabia que o filme “O menino e a garça”, é inspirado em um livro clássico japonês?

O filme “O menino e a garça” protagonizado pelo menino Mahito que perde a mãe em um incêndio tem como fundo um livro clássico, publicado em 1937. O livro em questão, traduzido para o inglês por Bruno Navask, se chama “How Do You Live?”, de Genzaburō Yoshimo, de 1937. Em japonês, filme e livro tem o mesmo título tamanha a inspiração. O livro conta a história de como a perda do pai do jovem Kuperu (alusão ao cientista Nicolau Copérnico) traz mudanças drásticas em sua vida. A história também foi adaptada para Mangá.

A história da publicação é, no mínimo, curiosa: Yūzō Yamamoto, um outro escritor, ficou encarregado de escrever o romance, só que não pôde devido a uma doença. Em vez disso, Genzaburō Yoshino escreveu tendo Yamamoto como co-autor da primeira edição.

Com o Japão cada vez mais militarizado e autoritário nas décadas de 20 e 30, a ideia inicial de escrever um livro de ética para as futuras gerações pensarem por si mesmas e darem valor as humanidades foi substituída pelo romance, uma saída para escapar dos olhares dos censores, o que funcionou até 1942, quando o livro foi retirado de circulação.

Após a Segunda Guerra, no entanto, tendo apenas Yoshino como autor, o livro retorna, mas em uma versão “higienizada” na qual as menções ao imperialismo, as críticas ao capitalismo, o comportamento antipatriótico e as referências aos problemas de classe foram subtraídas. Só mais tarde a versão original foi republicada e além das crianças, ela teria agradado também aos adultos.

Leia também: “O menino e a garça”: Miyazaki volta da aposentadoria com seu filme mais pessoal

O livro conta a história de um menino de 15 anos chamado Junichi Honda, apelidado de Koperu, e seu tio, enquanto o jovem lida com o crescimento em meio à pobreza. Na história, são apresentadas cartas escritas por seu tio com conselhos sobre como viver da melhor forma.

No filme de Miyazaki, ao invés da história do livro, temos a história de um menino, Mahito, que lê o livro encontrado em meio às coisas da mãe, com uma dedicatória escrita para ele.

Veja o nosso podcast sobre o filme:

Related posts

Por que ler David Foster Wallace?

“Meu pé de laranja lima”: clássico da literatura brasileira integra currículo das escolas chinesas

“Todo mundo tem mãe, Catarina”: Carla Guerson elabora a complexidade das relações familiares