Em “Uma mulher”, Annie Ernaux retorna à autossociobiografia pra contar história da mãe

Cinco anos depois de recompor a vida e a trajetória do pai em O lugar, Annie Ernaux retorna à autossociobiografia, gênero que inaugurou e que a consagrou, para narrar as memórias que guarda de sua mãe, escritas nos meses seguintes à morte dela.

Com a tarefa de articular uma narrativa “entre o familiar e o social, o mito e a história”, Ernaux parte da mesma “linguagem neutra” de outros livros para escrever sobre a própria mãe, mas também sobre a vida de uma mulher. No entanto, a dor e a fragilidade do luto alteram essa equação de forma sutil, porém fundamental: em contato com a perda materna, o estilo seco assume um contorno visceral que vai direto ao coração das lembranças.

À flor da pele, ela atenta para as muitas facetas da dor, desde as mais ínfimas. “Alguns pensamentos deixam um buraco em mim: pela primeira vez, ela não vai ver a primavera.” Apesar disso, reconhece a dimensão social de seu luto: “perdi o último vínculo com o mundo do qual vim”.

Nascida no início do século 20, sua mãe foi operária desde os doze anos. Tinha orgulho do ofício e de buscar a independência. “Ir longe”, assim Ernaux define o princípio que regeu a vida dessa mulher. Depois de se casar, abriu com o marido o café-mercearia onde trabalhou até a terceira idade. Leitora voraz e aberta para o mundo, estimulava os estudos da filha na tentativa de lhe prover o que nunca tivera.

Quando, já viúva, vai viver com Ernaux e os netos, mãe e filha experimentam nas miudezas do cotidiano a distância que a ascensão social da filha singrou entre as duas. Com precisão cirúrgica, a autora recupera os detalhes dos gestos maternos, as expressões, a inquietude e a vivacidade que a mãe manteve até o fim da vida, numa casa de repouso, já acometida pelo Alzheimer.

Sóbrio e comovente, este livro é peça central no quebra-cabeças do projeto da autora de escrever a vida. Nele é possível acompanhar não só a trajetória de uma mulher da classe trabalhadora, mas os sentimentos viscerais de sua filha: amor, ódio, admiração, ternura, culpa e um vínculo inabalável.

Compre o livro aqui!

Sobre a autora:

Annie Ernaux nasceu em 1940, em Lillebonne, na França. Estudou na Universidade de Rouen e foi professora do Centre National d’Enseignement par Correspondance por mais de trinta anos. Seus livros são considerados clássicos modernos na França. Em 2022, Ernaux recebeu o prêmio Nobel de literatura pelo conjunto de sua obra.

Leia também: “A outra filha”: Annie Ernaux retrata trauma de infância em diálogo com a psicanálise

Ficha Técnica

Título: Uma mulher
Título original: Une femme
Autora: Annie Ernaux
Tradução: Marília Garcia
Capa: Bloco Gráfico
Formato: 13,5 x 20 cm
Número de páginas: 64 PP
ISBN: 978-65-6000-012-4
ISBN e-book: 978-65-6000-013-1
Preço: R$ 64,90 (e-book R$45,40)
Data de livraria: 06/05/2024
Editora: Fósforo

Compre aqui: https://www.fosforoeditora.com.br/catalogo/uma-mulher-annie-ernaux/

Related posts

“Dentes de leite”: conheça os contos insólitos de Antonio Pokrywiecki

“Anna O”: o livro de Matthew Blake que virou sucesso e vai ser adaptado pela Netflix

Círculo de Poemas lança “Quadril & Queda”, de Bianca Gonçalves, e “Palavra nenhuma”, de Lilian Sais