“No Submundo de Moscou”: Stanislavsky e Guilyarovsky viram detetives em filme sobre misterioso assassinato

No Submundo de Moscou conta a história da investigação do diretor de teatro Konstantin Stanislavsky e do repórter Vladimir Guilyarovsky sobre um misterioso assassinato no lendário bairro Khitrovka, no início do século XX. O filme é baseado em um evento histórico real: em 1902, o jovem Teatro de Arte de Moscou inicia a produção da peça “Ralé”, de Maksim Gorky. Os diretores, Vladimir Nemirovich-Danchenko e Konstantin Stanislavsky, pedem ao famoso escritor e jornalista Vladimir Guilyarovsky, que conhecia como a palma de sua mão o sombrio submundo de Khitrovka, em Moscou, para levar a trupe do Teatro de Arte a um passeio pela região.

No passeio, Gilyarovsky decide levar Stanislavsky pelas tavernas e cortiços locais e em seguida até a casa do comerciante Raja, um misterioso silk indiano, mas o jornalista e o diretor o encontram morto. Então, Stanislavsky e Gilyarovsky começam, por conta própria, a investigar o crime.

“O filme surgiu da ideia de combinar a prosa de Vladimir Guilyarovsky, que descreveu brilhantemente a Moscou pré-revolucionária, com as histórias de Arthur Conan Doyle. O tema não é nada convencional para o nosso cinema. É um filme de entretenimento. Há muito tempo eu queria fazer um filme como esse, que não fosse carregado de problemas subjacentes à busca do sentido da vida, mas sim uma história detetivesca fascinante, em parte um thriller“, contou o diretor Karen Shakhnazarov

O roteiro do filme, assinado por Elena PodrezEkaterina Kochetkova e Karen Shakhnazarov, conta uma história de aventura e investigação, baseada nos trabalhos de Vladimir Guilyarovsky e inspirada no romance clássico O Signo dos Quatro, do escritor inglês e criador de personagens de detetives, Arthur Conan Doyle. Trata-se do segundo episódio das aventuras de Sherlock Holmes, publicado em 1890 e que tornou famosos tanto o autor quanto o personagem.

Leia também: “O cupom falso”: Lev Tolstói retrata catástrofes da vida em romance minimalista

A produção do longa estudou o modo de vida da cidade na virada do século XIX para o XX, e criou uma imagem real do subúrbio de Moscou antes da revolução, com suas tavernas, calabouços e masmorras, onde os piores crimes eram cometidos e permaneciam ocultos, em contraste com a parte rica da cidade, cujos moradores viviam confortavelmente em clubes, teatros e restaurantes caros, sem dar importância aos submundos existentes no país.

O protagonista? O bairro de KHITROVKA

A Praça Khitrovskaya, ou Khitrovka, é um dos lugares mais interessantes e ricos em histórias do centro de Moscou. A praça constituiu-se após o incêndio de Moscou em 1812, com a participação ativa de um residente local, o major-general Nikolai Khitrovo, de quem recebeu seu nome.

Construída para abrigar um mercado de carnes e uma feira livre, a Praça Khitrovskaya tornou-se famosa por ser um ponto de encontro de marginais da cidade, pessoas que tinha perdido a fé e se viam no fundo do poço, além de ladrões, traficantes de mercadorias roubadas, presidiários fugitivos e assassinos. A maioria das casas da praça foram convertidas em pensões, tabernas baratas e botecos.

Sobre o bairro, escreveu o escritor Vladimir Gilyarovsky:

“No labirinto de corredores e passagens, nas escadas tortas e dilapidadas que levavam aos dormitórios em todos os andares, não havia iluminação. Um estranho encontra seu caminho, mas um estranho não tem motivo para vir aqui! De fato, nenhuma autoridade ousou se aventurar nesses abismos escuros.”

Veja o trailer aqui:

NO SUBMUNDO DE MOSCOU

Russia, 2023, 129 min, 14 anos

Direção e Produção: Karen Shakhnazarov

Roteiro: Elena Podrez, Ekaterina Kochetkova, Karen Shakhnazarov

Direção de fotografia: Oleg Lukichev

Produção: Grupo empresarialde cinemaMosfilm e estúdio de cinema CURIER, com o apoio do canal de TV “Russia”

Elenco: Konstantin Kryukov, Mikhail Porechenkov, Anfisa Chernykh, Evgeny Stychkin, Aleksei Vertkov, Aleksander Oleshko, Boris Kamorzin, Ivan Kolesnikov, Stanislav Eventov, Georgy Topolaga, Yuri Mirontsev, Sergey Shkoda, Serguei Barkovsky, Vasant Balan e outros.

Related posts

Jardim dos Desejos (2022): a jardinagem e o cuidado como metáforas contra um mundo brutal

Vermelho Monet (2022): a poesia do cinema em estado bruto de cores e amores

CRÍTICA: A estrela cadente (2023): filme bom também é aquele que (se) distrai