O Espigão: Drama autoficcional repensa estruturas familiares e novas formas de amar

No interior de Minas Gerais, em 2005, um irmão e uma irmã vivenciam um drama íntimo que desencadeia uma crise familiar, desafiando crenças e valores até então inabaláveis: ambos se apaixonam pela mesma mulher. Dezoito anos depois, eles se encontram para acertar as contas, revisitando essa história para preencher lacunas e curar suas feridas, dando um novo sentido a tudo que viveram. Esse é o mote da peça teatral O Espigão, primeiro trabalho do Coletivo Você e Eu.

Com direção de Caio Riscado e concepção de Gabriel Morais e mariah miguel, o espetáculo estrou em 2023, com apresentações em espaços alternativos nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. O Espigão foi escrito por Gabriel Morais a partir de uma oficina ministrada pelo dramaturgo português Jorge Louraço, em 2019. A trama narra a história de um jovem de 18 anos que teve que lidar com a perda de sua primeira namorada quando foi trocado por ela pela irmã de 14 anos. A peça mergulha em temas como gênero, família, homofobia e a imposição de padrões heteronormativos.

Leia também: “Palhaços”, clássico de Timochenko Wehbi retrata os palhaços da vida e do palco

“Em 2005, período em que o debate sobre diversidade e representatividade não era tão difundido quanto hoje, minha família estava determinada a manter minha irmã dentro dos padrões da heterossexualidade, como se fosse apenas uma fase passageira ou uma influência negativa. Houve uma forte restrição da liberdade dela, uma constante vigilância de seus movimentos. Ninguém se preocupou em perguntar como estávamos nos sentindo, falhamos enquanto família”, relembra Gabriel, hoje com 36 anos.

Gabriel divide a cena com mariah miguel, uma mulher lésbica e mãe. A atriz dá voz à perspectiva de Paula Morais, uma menina que, aos 14 anos, se descobre homossexual e se vê envolvida em um complexo triângulo amoroso com seu próprio irmão. Diante desse desafio, ela enfrenta as próprias angústias e inseguranças, enquanto encara a dura realidade da repressão social imposta por uma sociedade machista e sexista.

Em formato de arena, a apresentação mantém uma atmosfera de intimidade, onde os espectadores estão próximos à cena, como se estivessem visitando as memórias reais e inventadas do ator.

O espetáculo Espigão não apenas compartilha uma história pessoal, mas também desafia as normas estabelecidas de gênero e sexualidade, convidando o público a repensar as estruturas familiares e a explorar outras formas de amor, afeto e aceitação.

SERVIÇO:

Espetáculo: O Espigão

Temporada: 15/03 a 20/04

Duração: 60 minutos

Faixa etária: 16 anos

PROGRAMAÇÃO

Espaço de Pesquisas Artísticas (EPA) – Rio de Janeiro/RJ

Data: 15/03 (sexta-feira às 20h)

Endereço: Rua Clementina de Jesus, 81 – Recreio dos Bandeirantes

Capacidade: 40 lugares

Ingresso:  R$20 (inteira) / R$10 (meia-entrada)

Espaço: Ateliê Alexandre Mello – Rio de Janeiro/RJ

Data: 16/03 (sábado às 20h)

Endereço: Rua Alice, 1658/201 – Laranjeiras (Em frente ao Residencial Redentor)

Capacidade: 35 lugares

Ingresso:  R$20 (inteira) / R$10 (meia-entrada)

Espaço Multicultural Gene Insanno – Araruama/RJ

Data: 23/03 (sábado às 19h)

Endereço: Rua Cel. Doring, 71 – Salina Branca – Centro – Araruama

Capacidade: 50 lugares

Ingresso:  R$20 (inteira) / R$10 (meia-entrada)

Escola Livre Fábrica de Atores e Materiais Artísticos – Nova Iguaçu/RJ

Data: 30/03 (sábado às 20h)

Endereço: Rua Apinagés, 140 – Moquetá – Nova Iguaçu

Capacidade: 60 lugares

* Sala Amir Haddad

Ingresso: gratuito

Casa da Lua – Angra dos Reis/RJ

Data:  13/04(sábado às 20h)

Endereço: Rua do Comércio, 16 – Centro – Angra dos Reis

Capacidade: 60 lugares

Ingresso:  R$20 (inteira) / R$10 (meia-entrada)

C.A.S.A – Companhia Arteira Sede Artística – Nova Friburgo/RJ

Data: 20/04(sábado às 20h)

Endereço: Rua Mac Níven, 45 – Centro – Nova Friburgo

Capacidade: 40 lugares

Ingresso:  R$20 (inteira) / R$10 (meia-entrada)

FICHA TÉCNICA:

Correalização: Coletivo Você e Eu

Concepção: Gabriel Morais e mariah miguel

Direção: Caio Riscado

Dramaturgia: Gabriel Morais

Atuação: Gabriel Morais e mariah miguel

Direção de arte: Júlia Deccache 

Iluminadora: Livs

Direção de produção: Tem Dendê! Produções (Jefferson Almeida)

Assistência de produção: Tem Dendê! Produções (Tamires Nascimento)

Produção local: Alexandre Gomes (Nova Iguaçu), Catherine Bom (Nova Friburgo), Leonardo Gall (Araruama) e Mauro Nask (Angra dos Reis)

Assistência de direção (Estagiários de direção) e social mídia: IgorGonçalves e Maria Luísa Grimaldi

Oficina de sensibilização e projeto de acessibilidade: Coeficiente Artístico Soluções em Arte (Many Pereira e Rafaela Zanete)

Arte gráfica: Davi Palmeira (A4)

Assessoria de imprensa: Aquela Que Divulga (Lyvia Rodrigues)

Registro audiovisual: Coité Audiovisual (Paula Diniz)

Registro fotográfico: APALAVRIMAGEM (Lucas Cezár e Ana Paula Rolón)

Contabilidade: VOX Contábil

Prestação de contas: Alan Isídio

Coordenação geral: Gabriel Morais

Related posts

“Faminta”: peça une gula e luxúria em mulher em busca de novas experiências

Os 5 melhores poemas de Joseph Brodsky 

“O Veneno do Teatro”: texto de Rodolf Sirera mostra que o teatro ainda é metáfora para o mundo