“Menina Mojubá”: espetáculo humaniza a trajetória de pombagira para desconstruir preconceitos

Partindo do princípio de que a falta de conhecimento é o que sustenta a intolerância religiosa, “Menina Mojubá” coloca a existência de uma entidade de origem afro-brasileira no coração do debate, com o objetivo de questionar e desconstruir preconceitos.

A peça conta a história de uma criança brasileira cresce nas ruas e descobre carregar consigo uma força ancestral. Se torna uma pombagira após seu trágico falecimento, tornando-se uma figura poderosa no mundo espiritual, capaz de proteger e livrar todos que tenham caminhos semelhantes aos seus.

A história entrega um verdadeiro presente ancestral, apresentando ao espectador os elementos de relevância da ritualística de terreiro: sons do tambor, o aroma das ervas e os pontos cantados. Assim são apresentadas as entidades e suas características de vestimenta e trejeitos, com dança, música e muita energia feminina, oferecendo ao espectador uma experiência única de teatro.

Com dramaturgia e atuação de Marcela Treze e direção de Gabriel Gama, o espetáculo revela a história de Menina, uma criança que cresceu na rua, conheceu as durezas da miséria, foi exposta a caminhos ilegais e esbarrou em um cortiço onde conheceu a maldade humana, mas Menina carregava em si uma força ancestral que a fez rainha no mundo espiritual. Sendo assim, ela busca garantir não só a própria sobrevivência, mas a de todos que são merecedores do seu amor.

“Menina Mojubá” tem o potencial de contribuir para o processo de desconstrução de preconceitos enraizados em relação às religiões de matriz africana, humanizando as entidades, como explica Marcela.

“O espetáculo conta a história da pombagira de maneira empática, fazendo com que o pensamento imposto pela sociedade, muitas vezes demonizando este ser, se transforme em um novo olhar sobre essas entidades, criando uma relação mais humana e menos mistificada.”

“Menina Mojubá” já recebeu 17 Prêmios e 24 indicações e já circulou por diversos lugares, ressaltando não apenas a excelência artística do espetáculo, mas também sua capacidade de tocar em questões culturais profundas e urgentes. “Para nós, um grupo preto de axé, ter espaço para contar nossas histórias já é algo grande. Conseguir ser reconhecido, não só pelo trabalho artístico, mas pela beleza e força da trajetória de uma pombagira, é a sensação que estamos honrando a nossa ancestralidade”, destaca.

“Menina Mojubá” é um espetáculo essencialmente pautado na ancestralidade, sendo também um movimento de reconhecimento e valorização das entidades de matrizes africanas, muitas vezes mal compreendidas e estigmatizadas na sociedade. “Todos os dias antes de começar a apresentação, eu peço aos meus guias que entreguem aquilo que as pessoas buscam ali. Peço para que saiam encantados pela beleza de pombagira e certos que essa entidade transmite amor”, conclui.

SERVIÇO

Local: Teatro Glauce Rocha (Av. Rio Branco, 179 – Centro, Rio de Janeiro – RJ)

Datas: 08, 09, 10, 15, 16 e 17 de março 

Horários: Sextas-feiras e sábados às 19h e domingos às 18h. 

Ingressos: R$15,00 meia-entrada e R$30,00 inteira. 

Duração: 55min 

Classificação: 10 anos

Link para adquirir o ingresso: Sympla

Rede social: instagram.com/menina.mojuba

FICHA TÉCNICA

Elenco: Marcela Treze e Gabriel Gama

Direção: Gabriel Gama 

Dramaturgia: Marcela Treze

Direção Musical: César Lira 

Figurino e  Dir. movimento: Michael Alves 

Preparação Corporal: Cátia Costa 

Iluminação: Isabella Castro 

Assist. de Iluminação e operador de luz: Junio Nascimento 

Assist. de Produção: Veronica Treze

Operador de som: Pedro Treze

Designer UX: Rafaela Lira

Assessoria de Imprensa: Monteiro Assessoria de Imprensa

Related posts

“Faminta”: peça une gula e luxúria em mulher em busca de novas experiências

Os 5 melhores poemas de Joseph Brodsky 

“O Veneno do Teatro”: texto de Rodolf Sirera mostra que o teatro ainda é metáfora para o mundo