“Museu Nacional”: dramaturgia parte do acervo que sobreviveu ao incêndio para narrar o Brasil

Como reescrever o passado? Como refazer um passado que pode estar perdido? É isto que tenta fazer Vinicius Calderoni em sua dramaturgia Museu Nacional [Todas as vozes do fogo]. Texto teatral narrado por Luzia, o mais antigo fóssil humano encontrado na América Latina, conta a História do Brasil a partir da tragédia de grandes proporções que atingiu o Museu Nacional, instituição bicentenária que abrigava mais de 20 milhões de itens de diversas áreas de pesquisa.

A um só tempo pungente e emocionante, Museu Nacional [Todas as vozes do fogo] é um aceno lírico e um chacoalhão satírico e paródico que não perde o realismo, e a realidade, de vista. Dramaturgia de Vinicius Calderoni da Coleção Dramaturgia da editora Cobogó busca recuperar parte da perda histórica e da tragédia de grandes proporções que atingiu a instituição bicentenária para contar a História do Brasil.

Leia também: Bombeiro usa restos de madeira do Museu Nacional para construir instrumentos musicais

INCÊNDIO NO MUSEU NACIONAL DESTRÓI PARTE DO ACERVO

Em setembro de 2018, o Brasil acompanhou com estupor o incêndio do Palácio de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, sede do Museu Nacional, instituição científica e museológica que abrigava mais de 20 milhões de itens das áreas de antropologia, zoologia, geologia, etnologia, paleontologia e arqueologia.

Entre eles, Luzia, o mais antigo fóssil humano encontrado na América Latina, um dos únicos remanescentes do fogo.

SOBRE O LIVRO

Pela voz de Luzia e outros personagens componentes do acervo, que interpretam quinze canções inéditas, compostas com a Companhia Barca dos Corações Partidos para o espetáculo, o musical percorre o imenso edifício imperial e, transitando entre passado, presente e futuro, flagra histórias que foram e que poderiam ser, de personagens históricos e de gente comum, de seres animados e inanimados, de objetos materiais e imateriais.

Além do texto da peça na íntegra e de apresentação assinada por Vinicius Calderoni, o livro conta com quarta capa de Rita von Hunty e posfácio de Cristiana Serejo, ex-vice-diretora do Museu Nacional.

Compre o livro aqui!

Related posts

“Faminta”: peça une gula e luxúria em mulher em busca de novas experiências

“O Veneno do Teatro”: texto de Rodolf Sirera mostra que o teatro ainda é metáfora para o mundo

“Leci Brandão – Na Palma da Mão”: a história de Leci é também do samba, da negritude e dos orixás